Encerra neste domingo (11) a Festa de Santa Clara em Canindé  

Com o tema “Presença de Vida Orante na Cidade da fé”, finaliza neste domingo (11) a Festa de Santa Clara no Mosteiro das irmãs Clarissas no bairro Santa Clara em Canindé.

De acordo com irmã Ana Clara do Espírito Santo, no finalzinho da tarde sairá da Basílica de São Francisco a procissão com o andor de Santa Clara, percorrendo as ruas: Severiano Martins, Joaquim Magalhães, Trav. Severiano Martins, Tabelião Facundo, Euclides Barroso, Paulino Barroso e Mosteiro do Santíssimo Sangramento.

Às 19 h, vai acontecer a Missa Festiva e, logo em seguida, o sorteio de prêmios em prol do Mosteiro. O arreamento da bandeira de Santa Clara será às 12h de segunda-feira (12), no patamar do Mosteiro.

Na página oficial do Mosteiro em Canindé foi publicado um texto contando um pouco sobre a vida de Santa Clara.

Santa Clara de Assis, Chiara D’Offreducci, nasceu no ano de 1194, em Assis, Itália. De família rica, seu pai, Favarone Scifi, era conde de Sasso-Rosso, sua mãe, Hortolana Fiuni e neta de fidalgos. Sua família vivia em um palácio na cidade, donos de muitas propriedades. Seu nome vem de uma inspiração dada a sua fervorosa mãe, a qual lhe revelou que a filha haveria de iluminar o mundo com sua santidade.

Clara tinha dois irmãos e duas irmãs. Suas irmãs Catarina e Beatriz, mais tarde, iriam entrar para o convento junto com sua mãe, após esta ficar viúva. Quando Clara tinha por volta de doze anos, sua família foi morar em Corozano e depois vão para Perugia, refugiando-se de uma revolução. Permanecendo lá até 1209.

Clara e Francisco de Assis

Aos 16 anos, ouviu por diversas vezes as pregações de um frade cuja conversão havia comovido toda a cidade de Assis: São Francisco. Clara meditava em seu coração as palavras incisivas do jovem pregador e não demorou muito para compreender que estava sendo chamada a imitá-lo na santa vida que ele levava. Resolveu, então, tudo abandonar para seguir aquela testemunha viva de Deus.

Num Domingo de Ramos, dia 18 de março de 1212, jovem, aos 18 anos de idade, foge da casa de seus pais e se encaminha para a igrejinha da Porciúncula (na atual basílica de Santa Maria dos Anjos), onde São Francisco de Assis e seus frades, em oração, aguardavam sua chegada.

Com círios acesos, os religiosos saíram ao encontro da jovem, então luxuosamente adornada com seus trajes de fidalga, em direção à porta da igrejinha. Conduziram-na diante do altar de Nossa Senhora e a uniram para sempre ao seu Esposo Jesus Cristo. Ali mesmo, em presença de amigas e dos religiosos, São Francisco lhe corta os belos cabelos loiros. Essa tonsura é sinal de que a jovem, Clara de Assis, pertence agora virginalmente a Nosso Senhor.
Após esse ato, os Frades a acompanham até o mosteiro das Beneditinas de Bastia.

Fundadora e Abadessa

São Francisco escreveu uma “Regra de Vida” para as freiras, a qual se resumia na prática da Pobreza Evangélica. E em 1215 obteve para elas a aprovação do Papa Inocêncio III. Nessa ocasião, Clara, por ordem expressa do Santo Fundador, aceitou o encargo de Abadessa. Estava fundada a Ordem das Clarissas.

Com a morte do seu pai, Clara herdou uma grande fortuna, da qual nada reteve para o convento. Distribuía totalmente aos pobres. O Papa Gregório IX procurou fazê-la aceitar para si e para o convento alguns bens temporais, argumentando que podia, para esse fim, desligá-la do voto de pobreza. Ela respondeu:

Santo Padre, desligai-me dos meus pecados, mas não da obrigação de seguir Jesus Cristo!”

Falecimento

Santa Clara de Assis morreu em Assis no dia 11 de agosto de 1253, aos 60 anos de idade. Um dia antes de sua morte ela recebeu a visita do Papa Inocêncio lV, que lhe entregou a Regra escrita por ela aprovada e aplicada a todas as monjas.

Na hora de sua morte ela disse:

Vá segura, minha alma, porque você tem uma boa escolha para o caminho. Vá, porque Aquele que a criou também a santificou. E, guardando-a sempre como uma mãe guarda o filho, amou-a com eterno amor. E Bendito sejais Vós, Senhor que me criastes”.

O Papa mandou enterrá-la na Igreja de São Jorge, onde São Francisco estava enterrado. Em 1260 depois de construída a Basílica de Santa Clara, ao lado da Igreja de São Jorge seu corpo foi transladado com todas as honras para lá.

Milagres após a morte

Depois de sua morte multiplicaram-se os milagres junto a sua sepultura. Assim, curou um epiléptico que, ademais, tinha uma das pernas atrofiadas. Ali receberam a cura integral pessoas cegas, corcundas, aleijadas em geral, possessas e loucas.

Pela intercessão de Santa Clara muitos milagres se realizaram quando ela ainda era viva e também depois de seu falecimento. Um dos mais expressivos foi quando os sarracenos (muçulmanos) invadiram Assis e tentaram entrar no convento das Clarissas. Santa Clara pegou o ostensório com o Santíssimo Sacramento e disse aos invasores que Cristo era mais forte que todos eles. Então, inexplicavelmente, todos, tomados de grande medo, fugiram sem saquear o convento. Por isso, Santa Clara é representada com suas vestes marrons segurando o ostensório.

Oração a Santa Clara de Assis

Ó maravilhosa clareza e abençoada Clara.

Em vida, ela brilhou para alguns, após a morte, ela brilha para todo mundo.

Na terra ela era uma luz clara. Agora está no céu como sol brilhante.

Ó quão grande a veemência do brilho dessa clareza.

Na terra a luz era realmente mantida dentro das paredes da clausura,

ainda derramado de seus raios brilhantes. Amém.

Santa Clara de Assis, rogai por nós!