Deputado aponta “fracasso” de projeto para acabar filas de cirurgias

O deputado Heitor Férrer (SD) cobrou, nesta sexta-feira (28/06), durante o primeiro expediente da sessão plenária da Assembleia Legislativa, um novo encaminhamento do projeto que destinava R$ 100 milhões para zerar as filas de cirurgia no Estado. Segundo ele, o documento enviado e aprovado pela Casa, em 2018, pelo governador Camilo Santana, não surtiu efeito, uma vez que as filas de cirurgias ainda continuam.

“Que um novo pedido de autorização seja feito à Assembleia, porque aquele projeto foi um fracasso. Os pacientes continuam a esperar pelas cirurgias e pelas cirurgias”, observou.

Segundo o parlamentar, que visitou o Hospital Geral de Fortaleza (HGF), a diretoria informou que não foram utilizados “sequer 10%” do valor. “Quero sugerir ao Governo, e vou fazer isso de forma oficial, para que utilize os R$ 90 milhões restantes”, comunicou.

Heitor adiantou que já havia solicitado informações sobre como foi gasto o montante, por meio de requerimento, mas não teve resposta. “Pedi quantos milhões foram utilizados, quantas cirurgias feitas, os hospitais envolvidos e contratados com os profissionais médicos para fazer as cirurgias. Isso não foi respondido”, contestou.

O parlamentar criticou ainda a falta de mobilização, por parte do Governo, para informar os pacientes cadastrados para cirurgias. Na avaliação dele, a Secretaria de Saúde deveria ter feito, tão logo a autorização da Assembleia, um chamamento por meio das redes sociais e de comunicação. “Deveriam ter feito o seguinte comunicado: nós vamos operar quem está na fila, portanto, compareçam ao local onde está cadastrado. O que houve foi a hipocrisia de solicitar a autorização dos R$ 100 milhões e ficar calado”, avaliou.

Em a parte, a deputada Dra. Silvana (PR) sugeriu o apoio da Comissão de Seguridade Social e Saúde da Casa na localização dos pacientes. “Uma verba foi destinada e a verba não foi gasta, com algo tão necessário como a cirurgia. Alguém deixou de se mobilizar para chamar esses pacientes nas filas de cirurgias”, disse.

Agência de Notícias da Assembleia Legislativa

Foto: Assembleia Legislativa